Itaporã

Por seis votos contrario na câmara, saúde e educação de Itaporã perdem 500 mil

Nas redes sociais a população recebe com indignação a reprovação da emenda que resultaria em melhorias para saúde e educação.

Por seis votos contrario na câmara, saúde e educação de Itaporã perdem 500 mil - Foto: Antonio Carlos Ferrari Por seis votos contrario na câmara, saúde e educação de Itaporã perdem 500 mil - Foto: Antonio Carlos Ferrari

Em primeira votação nesta segunda (26) a Câmara de vereadores de Itaporã rejeitou emenda que previa a transferência de recursos do duodécimo da casa para a prefeitura investir em saúde e educação. A proposta elaborada pela vereadora Marley dos Santos juntamente com os vereadores Cascatinha, Ney Bulla, Givanildo e Marcio Lobo previa uma emenda no orçamento do município para 2019, pedindo a redução de 7 para 6% do repasse do duodécimo para o legislativo municipal.

Para a surpresa de todos, mesmo assinando a emenda proposta, na ultima hora os vereadores Cascatinha e Ney Bulla votaram contrario ao projeto. Justificando suas decisões, o vereador Cascatinha afirmou que assinou sem ler e assim votou contrario a medida que havia proposto. Já o vereador Ney Bulla deu parecer favorável na comissão assinando à tramitação da emenda e da mesma forma votou ao contrario.

Havia uma grande expectativa de que esses valores provenientes da redução do duodécimo pudesse ser investidos na aquisição de equipamentos importantes para atender a saúde tal como: Aparelho de raios-X, compra de uma camionete para o DECOE-Departamento de Controle de Endemias, e para diversos setores da educação, em especial para o Centro de Educação Especial Brisa (APAE).

Como já havia sido divulgado em vários órgãos de imprensa, com a redução de 1% o executivo poderia fazer estes e outros importantes investimentos, haja vista, que diante do percentual que hoje é repassado, o município teria no final de cada exercício uma sobra de aproximadamente de R$ 500.000,00 mil reais.

A câmara de Itaporã terá um orçamento previsto para 2019 estimado em R$ 3.221.120,00 (três milhões duzentos e vinte e um mil e cento e vinte reais), que divido pelos doze meses do ano dará algo em torno de R$ 268 mil reais mensais. Votaram contra a emenda os vereadores: Cascatinha, Ney Bulla, Adriano Martins, Célia Frota, Lurdes Struziati e vereador Mattos. Favorável, votaram os vereadores: Marley dos Santos, Givanildo Rondina, Ademir de Freitas e Lindomar de Freitas.

Os autores da proposição, reitera que esta iniciativa não é inconstitucional, pois, no exercício de 2009 proposição igual a esta foi aprovada na gestão do então presidente da Câmara Luciano Gonella, não afetando os servidores e o montante de 1% de redução na época, serviu para que o executivo comprasse um ônibus para transporte escolar.

Comentários