Esporte

Volante do Inter mira exemplo europeu e passa a ser opção também na zaga

Charles durante treinamento do Inter. Volante vira opção na zaga / Foto: Ricardo Duarte/Inter Charles durante treinamento do Inter. Volante vira opção na zaga / Foto: Ricardo Duarte/Inter

Um processo frequente na Europa teve início neste ano no Beira-Rio. O trabalho com um dos volantes para, eventualmente, se transformar em zagueiro durante as partidas. Charles, aos 22 anos, treinou repetidamente como defensor central nas atividades do Inter e poderá ser alternativa em outra função no futuro. 

Em entrevista exclusiva ao UOL Esporte nesta quinta-feira (29), o marcador contou o que pensa sobre a função, que mesmo sem ser a principal passa a ser vista com outros olhos. 

"Eu fiz alguns treinos de zagueiro, o professor pediu... Quando ele me pede, eu treino ali, normal. Lógico que minha função é volante, desde a base sempre joguei por ali. Quando precisava, eu fazia a função, sem problemas. Fiz alguns jogos de zagueiro na base. Mas espero minha oportunidade como volante, gosto e sei jogar ali. Claro que se for para ajudar o Inter, sempre vou fazer o que o técnico pedir", disse. 

Não seria novidade. Na base, o jogador era parceiro de Léo Ortiz (que jogou a última temporada no Sport) como zagueiro eventualmente. Com 1,86 de altura e boa imposição física, acredita que consiga unir características para ser utilizado. 

"Fiz treinos e jogos no Sub-20 com o Ortiz, de dupla de zagueiro. Tenho características para isso, sou alto... Mas tem que trabalhar diariamente. É uma função difícil, vamos trabalhando com o grupo, o pessoal dá a maior atenção, vamos trabalhando nos treinos e sempre crescendo", completou. 

Na Europa, o processo de utilização de volantes na zaga é uma tendência. Classificado às oitavas de final da Liga dos Campeões, o Ajax tem adotado durante boa parte de seus jogos tal expediente com o jovem Frankie de Jong. No Barcelona, Javier Mascherano, também passou por este processo de transformação em zagueiro. Times como Hoffenhein, Bayern de Munique, Villareal e Atletico de Madri também, em momentos do jogo, chamam o volante para a primeira linha qualificando a saída de bola e utilizando mais jogadores na linha de criação. 

"Se o Odair precisar, eu vou fazer. Vejo isso nos jogos (da Europa), o volante passando para linha de trás para achar o passe pelo meio, ajudar na saída de bola. Hoje não dá para jogar em uma função só. Durante o jogo, vai precisar, volante-zagueiro, se precisar estamos prontos", argumentou. 

Ricardo Duarte/Inter

Gauchão, temporada 2018 e futuro...

O Gauchão pode ser o momento para testar. De olho em ganhar ritmo, Charles quer aproveitar o Estadual para atuar, seja como volante ou mesmo na função nova, de zagueiro. 

"Sempre é bom estar jogando. O ritmo de jogo, pegar confiança, ajudar da melhor forma, então, este ano tivemos algumas chances, rodizio, é bom jogar, pegar ritmo, vai ser muito complicado o ano que vem, com muitas competições. Será válido ter ritmo, confiança e poder ajudar", disse. 

Em 2018 o marcador atuou em apenas sete partidas e acredita que precisa jogar mais no ano que vem. "O ano foi positivo, depois tudo que aconteceu na Série B, vedo a a campanha que fizemos... Foi muito válido. Tive poucas chances. Mas como ficamos fora de algumas competições, acabou só o Brasileiro e o time não muda muito. Segui trabalhando forte e da melhor forma, sempre para ajudar. Firme para quando tiver oportunidade aproveitar da melhor forma. Todos confiam em mim, me sinto muito bem aqui, e agora é trabalhar cada vez mais", explicou. 

Em 2019, a expectativa é seguir crescendo e ganhar espaço no grupo. "A fase da base, de transição, já passou. Estou bem, ganhei experiencia nestes dois anos falando com todos os companheiros. Ganhamos bagagem, e essa fase de transição acabou. Estou mais acostumado com tudo, sempre aprendemos coisas novas, e estou bem melhor", disse. 

Charles subiu para o principal do Inter no ano passado e logo recebeu uma série de oportunidades. Em 2017 chegou a ser titular do time, fez 30 jogos e marcou dois gols. E a rapidez com que tudo aconteceu gerou grande expectativa, que ele espera justificar logo em seguida. 

"No começo tudo acontece muito rápido. Não esperava ser titular tão rápido, nem jogar. É um mundo novo para quem saiu da base, é um mundo diferente. Tudo ao mesmo tempo. Mas eu estou sempre trabalhando da mesma forma e estou aqui para ajudar, sempre, da melhor forma", finalizou. 

Comentários