Economia

Douradense trabalhou até domingo só para pagar R$ 94 milhões de impostos

Estudo diz que brasileiros trabalharam 153 dias (até domingo) para pagar impostos, 29 deles para bancar corrupção

Douradenses pagaram R$ 95 milhões em impostos neste ano (Foto: A. Frota) Douradenses pagaram R$ 95 milhões em impostos neste ano (Foto: A. Frota)

Estudo elaborado pelo IBPT (Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação) afirma que os brasileiros tiveram que trabalhar 153 dias de 2019 só para pagar impostos federais, estaduais e municipais. No caso dos moradores de Dourados, nesse período encerrado domingo (2), o montante destinado aos cofres públicos das diferentes esferas de governo atingiu R$ 94,2 milhões. 

A cifra é informada pelo Impostômetro, um mecanismo criado pelo IBPT em parceria com a Associação Comercial e a Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo. Segundo ele, até esta terça-feira (4) a cifra douradense cresceu R$ 1 milhão e agora soma R$ 95,2 milhões. 

Desde o início do ano, R$ 10,9 bilhões foram pagos em impostos e tributos por moradores de Mato Grosso do Sul. E o valor já chega a R$ 1 trilhão no Brasil.

CORRUPÇÃO

No estudo recentemente divulgado, o IBPT acrescentou que dos 153 dias trabalhados pelos brasileiros somente para pagar impostos, 29 dias bancaram desvios e mal uso de verbas públicas, a popular corrupção.

Nesse aspecto, porém, não há informações detalhadas sobre Dourados, alvo de duas operações desencadeadas pelo MPE-MS (Ministério Público Estadual) no final de 2018 contra supostos esquemas de corrupção na prefeitura e na Câmara de Vereadores.

OPERAÇÕES EM DOURADOS

Na Operação Pregão, deflagrada no dia 31 de outubro para combater supostas fraudes licitatórias na Prefeitura de Dourados, ação judicial cobra o ressarcimento de R$ 25 milhões aos cofres públicos. (clique aqui para ler mais)

Já na Operação Cifra Negra, que acusa esquemas fraudulentos em contratos do Legislativo, o valor apontado pelo MPE como prejuízo aos cofres públicos municipais passa de R$ 5,6 milhões. (clique aqui para ler mais)

 

Comentários